Conecte-se conosco

Geral

Amor: Conheça a história de Marinês a avó, com duas formação e decidiu estudar outra faculdade e pós graduação para ajudar seu neto autista.

Publicado

em

Aos Leitores, ler com atenção:
Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove ao contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens.

O dia 02 de maio de 2016, foi o um momento marcante na vida de Dayane , mãe do Ralf Henrique, dia do seu nascimento e como sempre sua avó Marinês acompanhou tudo de perto, sempre presente, ocorreu tudo bem durante a cirurgia. – “Lembro da enfermeira me mostrando aquele bebê lindo, foi um momento único”,recorda a avó.

Ralf Henrique se desenvolveu perfeitamente como uma criança na idade dele até 1 ano e meio sua avó professora e na sua turma tinha um aluno autista, que ajudou a ir em busca de conhecimento para acompanhar e conhecer melhor o TEA, começou observar seu neto em casa, com os movimentos repetitivos e também andava com as pontas dos pés e a organização dele com as peças de brinquedos e chinelos enfileirados,, Ralf Henrique falou no tempo certo, mas aos poucos foi perdendo a fala, que começou a  balbuciar palavras: “Todo mundo me dizia que não era para eu me preocupar porque, no menino, a fala acontece mais tarde”. Mas avó Marinês e sua filha Dayane mãe do Ralf Henrique resolveram buscar ajuda médica. E foram diretamente em uma clinica de neuropediatra, que devido ás observações e as experiências da avó do Ralf

Henrique começou os diagnósticos, junto á outros profissionais de saúde que seu neto Ralf Henrique era portador do TEA, “ele é autista”. Disse a neuropediatra.

 Com as idas e vindas da neuropediatra,  representou um divisor de águas na vida dessa mãe e dessa avó ainda cheia de dúvidas, chegando em casa, Ralf abriu um caixa cheio de carrinhos, e outros brinquedos e ficou olhando para todos aqueles brinquedos e se isolou no mundo dele. 

Sua mãe e sua avó começaram a procuraram entender melhor de ver este mundo tão diferente, tentaram procurar ajuda de alguns familiares e para eles também aprender a conviver com o diferente: “Eles têm um mundo só deles, e todos que convivem com o Ralf  precisavam entender isso, disse avó. 

Derrubando barreiras

Nas suas andanças, descobriu que a família que tem um autista enfrenta dois obstáculos: o primeiro é perder o medo e permitir que o filho especial tenha uma vida como as das outras crianças, e o segundo é conseguir terapias para melhorar a  convivência de Ralf Henrique.

Dayane  matriculou Ralf na creche  municipal  de Santa Luzia D´Oeste, para melhorar a socialização, mas as terapias não tinha como começar, pois a mãe nem a avó tinham condições financeiras, foi então que a avó conversando com uma mãe de um autista, tirou todas as duvidas de como conseguir tratamento e acompanhamento de profissionais para começar estas terapia, agora conhecedora da lei 12.764/12, que Institui  a Política Nacional dos direitos da pessoa com Transtorno do Espectro Autismo, começa a luta para conseguir os tratamentos, mas a demora é imensa, e o Ralf Henrique só progredindo; foi então, que a avó Marinês, formada em administração e licenciada em letras e terminando curso de pedagogia atuando na área da educação, decide se especializar em Neuropsicopedagogia  e Terapia ocupacional, para ajudar seu neto Ralf Henrique e futuramente outras crianças com o TEA.

A avó e professora Marinês que confecciona junto a professora do pré II, sua atividades pedagógicas, e também faz a equoterapia em uma chácara particular cedida pelos proprietários para desenvolver esta terapia e auxilia-lo no equilíbrio e concentração.

A avó mesmo com todos estes cursos que auxilia Ralf Henrique,  ele  depende do auxilio do estado e do município para os remédios controlados e também o acompanhamento de um serviço especializado em educação especial,  que ainda não começou, aguardando decisão judicial do estado e município .

Ralf Henrique tem TEA moderado, sociável, olha nos olhos, abraça, mas  não fala,  não tem  noção de espaço e nem do perigo, está aprendendo onde fica o banheiro, aprendendo a comer sozinho  .  –  “Ele já se expressa e sabe mostrar o que quer fazer puxando- nos pela mão, A partir das terapias com outros profissionais, ajudaremos na evolução explica a avó, pedagoga, neuropsicopedagoga e Terapeuta ocupacional,  E somente assim, com ajuda também dos profissionais da educação, em seus primeiros anos das series iniciais, Ralf Henrique será alfabetizado,   –  ficaremos felizes ao ver o meu neto, convivendo pós pandemia com os demais alunos e participando da vida em sociedade.

 Meu coração se enche de esperança e emoção! Comemora sua avó Marinês.


Fonte. rondonianews.com

--Publicidade--
Clique para comentar

Deixe uma resposta

Geral

Governo de Rondônia lança exposição “Meu mundo” com pinturas em tela ao vivo durante live, nessa sexta-feira 23

Publicado

em

O Governo de Rondônia, por meio da Superintendência Estadual da Juventude, Cultura, Esporte e Lazer (Sejucel), realiza nesta sexta-feira (23) na Galeria Afonso Ligório, no térreo da Casa da Cultura Ivan Marrocos, o lançamento da exposição “Meu Mundo” da artista plástica, Eryle Aguiar.

O lançamento será feito por meio de um live, a partir das 16 horas na página da Funcer. A transmissão ao vivo será coordenada pela diretora da Casa da Cultura Ivan Marrocos, Sílvia Cristina e pelo artista plástico e servidor João Zoghbi com apoio técnico da Sejucel, e apoio cultural e logístico da Fundação Cultural do Estado de Rondônia (Funcer). “O apoio à classe artística é uma das preocupações do governador Marcos Rocha, principalmente nesse período de pandemia. E a Sejucel encontrou nessas transmissões ao vivo uma forma de não deixar os artistas desassistidos de apoio à sua arte”, destacou o superintendente da Sejucel, Jobson Bandeira.

Eryle Aguiar elegeu a “Lágrimas de uma obsessão”, como uma das preferidas

Essa é a primeira exposição de Eryle Aguiar, que já reuniu 45 obras desde que começou a pintar há 10 meses, como forma de expressar o que sente por meio das telas. “Tenho dificuldade de se comunicar por ser autista. O diagnóstico na fase adulta fez com que eu me entendesse um pouco mais e eu precisava me expressar, colocar para fora os meus sentimentos”, relata a artista.

Ela afirma que identificou em sua arte com uma visão contemporânea focada no abstracionismo, que é um estilo artístico que surgiu das vanguardas europeias no século XX, e que buscavam romper com a tradição cultural herdada do passado, monopolizada pela academia, tradicionalista e que focava o “belo” como principal característica.

Das 45 telas que estarão à venda na exposição com preços variados, Eryle Aguiar elegeu a “Lágrimas de uma obsessão”, como uma das preferidas. Ela aponta um misto de sentimentos entre tristeza e felicidade. Diz ainda não sabe como será a 46ª tela que vai ser pintada ao vivo durante a live de lançamento.

As obras de Eryle Aguiar ou eryleabstr¬_arte como é conhecida nas redes sociais, são pinturas em acrílico sobre tela e mista e podem ser encontradas também na internet.

A artista conta que “as obras seguem uma linha tênue, pura, às vezes inocente, mas com bastante firmeza em seus traços que demonstram um pouco de agressividade. Ao mesmo tempo em que é lúdico ao utilizar como recurso técnico as próprias mãos deixando suas digitais bem fortes com a pintura com os dedos, fortes espatuladas e pinceladas em cores quentes contrastando com a suavidade e com vibrações frias, muitas vezes com pigmentos harmoniosamente terrosos”.

A artista plástica é autista e, há 10 meses, encontrou na arte uma forma de expressar o que sente

Para a diretora da Casa da Cultura Ivan Marrocos, Sílvia Cristina, a artista plástica Eryle Aguiar teve uma infância difícil, na adolescência meio que incompreendida por quase todos a sua volta, porém a força de seu trabalho e de sua arte lhe coloca em outra esfera no mundo artístico e natural. “Ela nos procurou, aqui na Casa da Cultura, e sentimos que o seu trabalho tem amadurecido de fase a fase, desde seus primeiros quadros até a produção mais recente, nos convencendo de que se trata de um grande talento ainda em estado de evolução e que lhe credencia fazer sua primeira exposição presencial. Uma oportunidade clara, em que lhe dará mais experiência e crescimento em sua jornada artística”.

A exposição presencial ficará à disposição do público até o dia 17 de agosto, das  9h às 18h na Galeria Afonso Ligório da Casa da Cultura Ivan Marrocos, localizada na Avenida Carlos Gomes, 2454, no Bairro Caiari em Porto Velho. Vale ressaltar que para a visitação serão tomados todos os cuidados seguindo o protocolo sanitário contra a covid-19, para garantir a segurança dos visitantes e servidores da Casa da Cultura Ivan Marrocos.

Fonte: Governo do Estado de Rondônia

Continue lendo

Geral

Ipem reforça fiscalização nos postos de combustíveis nos municípios de Rondônia

Publicado

em

Para fortalecer os trabalhos sociais no Estado, o Governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social (Seas), realizou, entre os dias 19 e 20 de julho, um encontro de Apoio Técnico Regionalizado, como objetivo de orientar as equipes de referência dos programas socioassistenciais dos municípios de Cerejeiras, Corumbiara, Colorado do Oeste, Chupinguaia, Cabixi, Pimenteiras do Oeste e Vilhena.

A gerente regional Marciana Malaquias destaca que a ação é uma iniciativa da pasta para instruir e trocar experiência entre os profissionais do Centro de Referência de Assistência Social (Cras) e Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), fortalecendo o atendimento aos usuários dos serviços socioassistenciais, principalmente na pandemia.

Para Gláucia Prado, gerente de proteção social especial, o apoio técnico vem para contribuir e aprimorar as equipes de referência municipais conforme a Norma Operacional Básica do Sistema Único de Assistência Social, pois os temas abordam a execução e ofertas da qualificação dos programas, além dos serviços e benefícios no âmbito das gerências de Proteções Sociais Básicas e Especial, para que os profissionais consigam desempenhar um atendimento de qualidade à população.

Já a gerente da Proteção Social Básica, Edina Regina Gomes, afirma que desde o início da pandemia a secretária da Seas, Luana Rocha, vem buscando alternativas para fortalecer os programas de atendimento na área social. No entanto, somente agora, com o abrandamento dos efeitos da pandemia da covid-19, foi realizado esse tipo de atividade, com maior garantia à segurança dos servidores.

O encontro envolveu os profissionais dos municípios de Cabixi, Colorado do Oeste, Cerejeiras, Corumbiara, Chupinguaia, Pimenteiras do Oeste e Vilhena, porém a ação deve acontecer em todos os municípios.

Fonte: Governo do Estado de Rondônia

Continue lendo

Geral

Governo de Rondônia promove apoio técnico regionalizado para profissionais socioassistenciais do Cone Sul

Publicado

em

Para fortalecer os trabalhos sociais no Estado, o Governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social (Seas), realizou, entre os dias 19 e 20 de julho, um encontro de Apoio Técnico Regionalizado, como objetivo de orientar as equipes de referência dos programas socioassistenciais dos municípios de Cerejeiras, Corumbiara, Colorado do Oeste, Chupinguaia, Cabixi, Pimenteiras do Oeste e Vilhena.

A gerente regional Marciana Malaquias destaca que a ação é uma iniciativa da pasta para instruir e trocar experiência entre os profissionais do Centro de Referência de Assistência Social (Cras) e Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), fortalecendo o atendimento aos usuários dos serviços socioassistenciais, principalmente na pandemia.

Para Gláucia Prado, gerente de proteção social especial, o apoio técnico vem para contribuir e aprimorar as equipes de referência municipais conforme a Norma Operacional Básica do Sistema Único de Assistência Social, pois os temas abordam a execução e ofertas da qualificação dos programas, além dos serviços e benefícios no âmbito das gerências de Proteções Sociais Básicas e Especial, para que os profissionais consigam desempenhar um atendimento de qualidade à população.

Já a gerente da Proteção Social Básica, Edina Regina Gomes, afirma que desde o início da pandemia a secretária da Seas, Luana Rocha, vem buscando alternativas para fortalecer os programas de atendimento na área social. No entanto, somente agora, com o abrandamento dos efeitos da pandemia da covid-19, foi realizado esse tipo de atividade, com maior garantia à segurança dos servidores.

O encontro envolveu os profissionais dos municípios de Cabixi, Colorado do Oeste, Cerejeiras, Corumbiara, Chupinguaia, Pimenteiras do Oeste e Vilhena, porém a ação deve acontecer em todos os municípios.

Fonte: Governo do Estado de Rondônia

Continue lendo
--Publicidade--

Publicidade

Publicidade

--Publicidade--
--Publicidade--

Artigos

Categorias

Mais Lidas

%d blogueiros gostam disto: