Conecte-se conosco

Agronegócio

Valor Bruto da Produção Agropecuária rondoniense sobe para R$ 18,3 bilhões durante a pandemia

Publicado

em

Aos Leitores, ler com atenção:
Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove ao contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens.

Criação, abate e exportação de carne bovina põem Rondônia entre os mais destacados estados no ranking nacional

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri), superou expectativas voltadas às atividades do setor agropecuário. Prova disto, é que atualmente, a agropecuária de Rondônia exibe números expressivos: Rondônia alcançou R$ 18,3 bilhões no Valor Básico da Produção (VBP), um aumento de 56,84% se comparado a igual período do ano passado. Esses números indicam o bom desempenho do setor.

“O Governo de Rondônia planejou um VBP de R$ 14 bilhões para o quatriênio 2019-2022, logo, ele já ultrapassou R$ 4 bilhões”, analisou hoje (24) o assessor da diretoria executiva da Seagri, Alex Rilie Moreira Rodrigues, responsável pelo Agrodados, a análise mensal dos setores componentes dessa parte da economia.

Mesmo com a alta do dólar norte- americano, não houve desaceleração do comércio do gado de corte. O VBP de dezembro a janeiro teve um crescimento de 13,14% e de janeiro para fevereiro, o crescimento foi de 3,42%. No mês passado, a arroba estava a R$ 272,50 (a maior cotação no estado) em Chupinguaia, a 700 quilômetros de Porto Velho. Já Machadinho d’Oeste, a 300 Km da Capital, teve a menor cotação, a R$ 210. Rondônia representa 7,16% do VBP bovino do País.

Para o secretário de Estado da Agricultura, Evandro Padovani, a produção diversificada e a pecuária forte estão em ascensão. sendo ainda a mais importante. “A produção de grãos é que vem se destacando hoje no estado, os quais a soja, o milho, o café, o algodão, e também tempos o peixe, o cacau e as florestas plantadas. A mecanização agrícola no Estado está avançada: hoje, só na agricultura familiar temos mais de mil tratores de pneu mecanizando o solo, recuperando áreas degradadas com pastagens antigas, fazendo a incorporação do calcário e formando novas lavouras diversas. Isso é renda para o produtor rural”.

Conforme o secretário, no momento os preços das commodities estão em alta em todo o mundo, o que proporciona maior demanda do que ofertas. Isto é importante para nossos produtores se capitaliza e assim investir mais no seu negócio gerando mais empregos e rendas aos municípios, Estado e União”.

Segundo o Agrodados, a lavoura fechou 2020 com faturamento de R$ 4,9 bilhões, e logo saltou para R$ 6,2 bilhões em fevereiro deste ano, num acréscimo de 22,80% de dezembro para janeiro. E de janeiro para fevereiro aumentou mais 2,08%.

Das exportações de Rondônia em janeiro de 2021, que totalizaram US$ 60,8 milhões referentes a 50,9 mil toneladas de produtos, o agronegócio contribuiu com US$ 5,15 milhões, sobre 21,9 mil t.

Assim, conforme o Agrodados, esse segmento representa 8,46% das exportações  estaduais. A carne bovina fresca se destaca: US$ 60,9 milhões (66%) das exportações, de acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio em 2020.

Conforme Dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), na comparação entre 2019 e 2020, Rondônia obteve os seguintes resultados com suas safras agrícolas:

Milho: 950 toneladas, produtividade média de 4,78 kg/ha (-5,4%);
Feijão, 3,8 mil t, 982 kg/ha (-13,6%);
Arroz, 139 mil t, 3,28 kg/ha;
Algodão em pluma, 14 mil t (-3,4%); algodão em caroço, 22,8 mil t, 2,32 kg/ha (-3,8%).

Com 2,36 mil toneladas de grãos, o estado ocupa o 14º lugar entre os estados produtores do Brasil. Levantamento sistemático do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e da Conab (baseada em colheitas) em janeiro de 2021 apontou também a seguinte safra de:

Banana, 84,09 t
Cacau, 6 t (0,18% a mais)
Laranja, 7,1 t
Uva, 197 t
Tomate, 1,35 t
Café Canephora, 141,3 mil t (-0,02%)
Amendoim 1ª safra, 315 t (mais 2,46%)
Arroz, 33,7 mil t (1,10% a mais)
Feijão 1ª safra, 15,5 t (-0,03%)
Milho 2ª safra), 916,9 mil t (0,03% a mais)
Mandioca, 475,4 mil t (-0,08%)
Cana de açúcar, 65,5 mil t

VBP DE 2020

Em 2020, o VBP chegou a R$ 15,2 bilhões.
Bovinos, R$ 9,03 bilhões
Soja, R$2,3 bilhões
Suínos, R$ 1,6 bilhão
Milho, R$ 1,025 milhão
Café, R$ 975,2 milhões
Leite, R$ 908,9 milhões
Frango, R$ 250,1 milhões
Ovos, R$ 49,6 milhões

PRINCIPAIS PROJEÇÕES PARA 2021

Bovinos, R$ 10,5 bilhões
Soja, R$ 3,08 bilhões
Suínos, R$ 1,68 bilhão
Milho, R$ 1,2 bilhão
Leite, R$ 1,17 bilhão
Café, R$ 1,01 bilhão
Frango, R$ 270,7 milhões
Ovos, R$ 44,2 milhões

Fonte
Texto: Montezuma Cruz
Fotos: Daiane Mendonça
Secom – Governo de Rondônia

--Publicidade--
Clique para comentar

Deixe uma resposta

Agronegócio

Por meio do Proampe, Governo de Rondônia capacita agentes de crédito para atender micros e pequenos empresários de Rondônia

Publicado

em

Proampe é um programa voltado 100% para microempreendedores nesta pandemia

O Governo de Rondônia, por meio da Superintendência Estadual de Desenvolvimento Econômico e Infraestrutura (Sedi), iniciou nessa segunda-feira (12), a etapa de treinamento de agentes de crédito para avançar na efetivação do Programa de Apoio às Micros e Pequenas Empresas e Empreendedores de Pequenos Negócios do Estado de Rondônia (Proampe).

Instituído pelo Decreto n.º 25.555, de 16 de novembro de 2020 e lançado em fevereiro, o programa é considerado meta prioritária do Planejamento Estratégico do Governo Estadual e fortalece a política de ampliação de microcrédito do Estado. Por ordem do governador, coronel Marcos Rocha, o programa avança de forma célere e transparente.

No final do mesmo mês de lançamento, houve o processo seletivo dos agentes de crédito, agora os mesmos passam por treinamento com duração de oito dias em imersão total, de 12 a 19 de abril, em Ji-Paraná.” Nós estamos nessa etapa muito importante de formação dos agentes de crédito e eu peço a cada um que faça o melhor em seus municípios, pois o recurso liberado dará retorno para a economia do nosso Estado e desta forma vai beneficiar a nossa população, precisamos defender o bem”, disse o governador de Rondônia, coronel Marcos Rocha.

A etapa é considerada importante e vai permitir avançar para as inaugurações das unidades de microcrédito, previstas para acontecer em cerca de um mês. “Dei ordem para tirar as travas que estavam impedindo as pessoas de terem acesso a crédito, pois nós temos pessoas que estão sofrendo e queremos ajudá-las a saírem do desespero; vamos fazer assim que a população tenha honra de poder seguir em frente, estou comprometido em fazer com que o nosso Estado se desenvolva”, garantiu.

“Esse programa é um marco para Rondônia, pois é um novo caminho para o microcrédito. Ele é uma resposta do pedido do governador de que o Estado tivesse uma política pública mais efetiva de microcrédito. Estudamos o que havia no Brasil e trouxemos para Rondônia um modelo específico para o nosso Estado”, conta o titular da pasta da Superintendência Estadual de Desenvolvimento Econômico e Infraestrutura (Sedi), Sérgio Gonçalves, responsável pelo Proampe.

Proampe faz parte do Planejamento Estratégico do Governo de Rondônia para fortalecer a economia

O socorro aos pequenos negócios foi projetado antes da pandemia e se tornou ainda mais essencial neste período de crise sanitária, social e econômica desencadeada pelo aumento de casos da covid-19. “Já tínhamos desde o início, o plano de criar um programa que viesse fortalecer a economia do nosso Estado. Precisamos com pandemia ou sem pandemia fazer o nosso Estado crescer. Sabemos que a pandemia trouxe uma certa estagnação e o Proampe veio no momento certo para ajudar com o microcrédito”, avalia o governador.

“A gente sabe que a pandemia impacta principalmente os pequenos negócios, que o grande sofrimento dos pequenos empreendedores é a falta de capital de giro e o Proampe dará esse fôlego econômico; estamos agora na etapa de treinamento e daqui a pouco, mais de 20 dias, estaremos inaugurando as unidades de microcrédito”, afirma o superintendente.

“Esse é um programa voltado 100% para microempreendedores que estão sofrendo financeiramente nesta pandemia. Parabenizo o governador , coronel Marcos Rocha, por estar atendendo essa fatia da população que não está conseguindo enfrentar essa fase pandêmica com recursos próprios. Muitas portas foram fechadas neste período, mas por meio do Proampe, serão novamente abertas, vai fazer muitas pessoas voltarem a sonhar”, considera o prefeito de Ji-Paraná, Isaú Fonseca, que já assumiu o compromisso de disponibilizar agentes de crédito do município na próxima fase de capacitação do Proampe.

A princípio, o Proampe conta com o aporte de R$ 10 milhões do Governo de Rondônia, o que o governador considera a “ignição” para que a iniciativa seja consolidada, mas o superintendente explica que o programa deve funcionar com recurso do sistema financeiro privado, o que abre um grande leque de financiamos. “Já temos R$ 10 milhões, mas devemos chegar a R$ 50 milhões esse ano e mais R$ 50 milhões para o próximo ano”, complementa o governador.

“O Proampe é uma política pública que não depende de recurso público e essa é uma das grandes inovações, tira a pressão do Estado. O recurso vem do sistema privado financeiro baseado na lei federal do Programa de Microcrédito Produtivo Orientado. São poucos estados que estão regulamentados e Rondônia agora faz parte disso. É um recurso adicional que vai girar a economia dos municípios. Desta forma, tem recurso e tem gente precisando desse recurso e o que precisava era articulador e esse está sendo o papel do Governo”, afirma Sérgio Gonçalves.

CAPACITAÇÃO

A capacitação é gerenciada de forma transparente por uma empresa tecnicamente especializada e contratada por meio de processo público, seguindo normas estabelecidas da Lei 8.666/93. (art. 25, inc. II).

Nesta primeira fase, 25 agentes de crédito participam do Programa de Formação de Agente de Crédito (Profac), vinculado ao Proampe. “Essa capacitação vai permitir a todos nós agentes de crédito poder ajudar na economia dos municípios, o que é muito importante especialmente na pandemia. Fico feliz de participar de algo que vai ajudar muito a população”, afirma a agente de crédito de Cacoal, Fabiana Alves.

“Cabe a nós seguimos firmes nessa missão de alavancar a economia, ajudando muitos rondonienses. Estou feliz e empenhada em contribuir com o objetivo do programa”, afirma a agente de crédito de Pimenta Bueno, Rosângela Neves.

A princípio o Proampe será implantado em 13 municípios: Porto Velho, Candeias do Jamari, Ariquemes, Jaru, Cacoal, São Miguel do Guaporé, Alta Floresta do Oeste, São Francisco do Guaporé, Rolim de Moura, Espigão do Oeste, Pimenta Bueno, Cerejeiras e Vilhena. “Os 13 municípios representam mais de 70% da demanda de microcrédito do Estado. Desta forma já vamos atender nesta primeira fase uma demanda de microcrédito altíssima”, avalia o superintendente da Sedi.

Mas o objetivo do Governo de Rondônia é que até 2022, o programa possa atender os 52 municípios do Estado, o que deve acontecer conforme as prefeituras forem aderindo ao Proampe.

VANTAGENS

Fortalecimento da economia nos 52 municípios, sistema de garantia simplificado e taxa de juros baixíssima, de 0.33% por mês, enquanto que em média os bancos cobram 4% mensais. Essas são as principais vantagens do Proampe.”Beneficiará os que faturam até R$ 360 mil por ano e tem que estar com atividade produtiva, pois o crédito é direcionado para atividade empreendedora”, informa o superintendente.

São até R$ 30 mil em crédito. A incentiva vai fortalecer os pequenos negócios no Estado. O governador destacou ainda que cada avanço que Rondônia tem é motivo de grande alegria, pois quando assumiu o Governo o Estado tinha tudo para dar errado com um déficit orçamentário de R$ 420 milhões. Mas, por meio de um trabalho sério, técnico e responsável com recurso público, foi possível levar o Rondônia a um superávit de R$ 370 milhões, o que tem ajudado não só no enfrentamento à pandemia, mas também mantém investimentos nos demais eixos de desenvolvimento, a exemplo do Proampe.


Fonte
Texto: Vanessa Moura
Fotos: Ėsio Mendes
Secom – Governo de Rondônia

Continue lendo

Agronegócio

Novo preço mínimo para a saca de café conilon robusta de Rondônia durante a safra de 2021/22 é estabelecido

Publicado

em

 

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou no Diário Oficial da União (DOU), de sexta-feira (9), a portaria Nº 77, de 7 de abril de 2021 estabelecendo novos preços mínimos para os cafés arábica e conilon da safra 2021/2022, definidos pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e aprovados pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

A nova medida iguala o preço mínimo do café conilon/robusta (Coffea canephora) de Rondônia aos demais estados do país, com ganho de 25,6%, tendo em vista que o valor local na safra 2020/21 era de 210,13. Com o reconhecimento, o preço mínimo da saca do café conilon robusta de 60 quilos passa a valer R$ 263,93 tanto para Rondônia como para o restante do país.

Para o café arábica, o novo valor mínimo a nível de Brasil para a safra 2021/22 foi fixado pela Conab em R$ 369,40. Um aumento de 1,46% em relação à safra passada, que era de R$ 364,09. O novo valor para o arábica é destinado ao café tipo 6, bebida dura para melhor, com até 86 defeitos, peneira 13 acima, admitido até 10% de vazamento e teor de umidade de até 12,5%. Já o conilon é ao tipo 7, com até 150 defeitos, peneira 13 acima e teor de umidade de até 12,5%.

Segundo o secretário de Estado da Agricultura, Evandro Padovani, esta conquista é resultado do esforço do governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri), da Câmara Setorial do Café e dos cafeicultores do Estado. “É dia de celebrar essa grande vitória para a cafeicultura. O realinhamento no preço do café robusta aqui no Estado é uma demanda antiga que vínhamos lutando para alcançar junto com Câmara Setorial do Café. Parabenizamos todos os representantes do setor e principalmente os produtores que têm se dedicado no avanço da nossa cafeicultura”, disse.

No início do ano, a Seagri enviou um ofício ao Mapa solicitando a realização de um novo painel de levantamento para reavaliar a possibilidade de ajustar o preço mínimo do café conilon/robusta para o Estado. O preço mínimo do café em Rondônia foi o único no Brasil que permaneceu congelado da safra 2019/2020 para a safra 2020/2021, não sendo reajustado no percentual de 15,3%, conforme as Normas Específicas de Café disponibilizadas pela Conab.

A Câmara Setorial do Café regional elaborou uma Nota de Contestação a retificação do preço mínimo do café conilon/robusta em Rondônia. A Bancada Federal de Rondônia também se reuniu no mês de março de 2020 com a ministra do Mapa, Tereza Cristina, e requereu a revisão do preço mínimo estabelecido. Também foi repassado ao Mapa que, atualmente, o Governo de Rondônia está implantando um programa de armazenagem de café, em que o Estado irá subsidiar, com juros zero, a estocagem de cafés para cafeicultores familiares pelo prazo de até 1 ano, sendo que o preço a ser antecipado aos produtores será o preço mínimo estabelecido pela Conab.

“Nós enviamos este ofício ao Ministério da Agricultura reiterando a necessidade de revisão do preço mínimo do café em Rondônia para a safra 2021/2022. Graças ao esforço do setor e das pesquisas realizadas pela Embrapa Rondônia que apresentaram dados divergentes dos apresentados pela Conab, nós fomos ouvidos pelo Mapa e hoje tivemos esta resposta”, explicou Padovani.

Conforme consta na publicação, a Portaria assinada pela ministra da Agricultura, Tereza Cristina, já está em vigor e seguirá até o mês de março de 2022, para nova atualização dos preços.

Fonte
Texto: Sara Cicera
Fotos: Janderson Dalazen e Daiane Mendonça
Secom – Governo de Rondônia

Continue lendo

Agronegócio

Secretaria Municipal de agricultura de Rolim de Moura orienta produtores rurais na produção de café

Publicado

em

Os técnicos da Secretaria Municipal de Agricultura (SEMAGRI) de Rolim de Moura (RO) seguem dando assistência aos produtores do município em diversas áreas da produção. Na semana passada, WallissonMilardPessôa, técnico da Semagri e o Engenheiro agrônomo Josia Ludke visitaram a propriedade do senhor Israel Ramos de Campos, linha 176, km 14, lado sul, onde é feito acompanhamento com regularidade na sua lavoura.

De acordo com os técnicos da SEMAGRI, o produtor conta com aproximadamente dois hectares de café, recebendo assim acompanhamento técnico da secretaria municipal de agricultura.

Dionísio Pereira Braga, “Goiaba” Secretário municipal de Agricultura lembra que agora está começando a colheita do café e o município oferece assistência o ano inteiro para que haja aumento de produção com melhoria na qualidade do produto.

Aldo Júlio, prefeito de Rolim de Moura, destaca que uma das missões da SEMAGRI é facilitar a vida dos produtores com assistências e serviços que visam beneficiar o homem do campo, com o objetivo de aumentar a produção e melhoramento da renda.

fonte. assessoria

Continue lendo

Mais Lidas

%d blogueiros gostam disto: