Conecte-se conosco

Saude

Governo apresenta minuta do Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração dos servidores da saúde ao Legislativo

Publicado

em

Aos Leitores, ler com atenção:
Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove ao contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens.

Após a avaliação da minuta do Projeto de Lei pelos parlamentares e o sindicatos dos servidores da saúde, o PCCR segue para aprovação

O Governo do Estado de Rondônia, através da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), deu um importante passo em prol da valorização profissional dos servidores da saúde, com a apresentação do Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração (PCCR) aos deputados e representantes dos servidores da saúde, nessa segunda-feira (11), na Assembleia Legislativa de Rondônia (ALE).

A reunião contou com a participação do secretário-chefe da Casa Civil Júnior Gonçalves, representando o governador do Estado, coronel Marcos Rocha, do secretário de Estado da Saúde, Fernando Máximo, do secretário de Estado de Finanças, Luis Fernando e do procurador do Estado Thiago Denger.

O secretário de saúde destacou durante a reunião, que o plano de carreiras é uma necessidade esperada há 19 anos pela classe de servidores. Dessa forma, o governador Marcos Rocha, entendendo a necessidade, determinou prioridade na construção do PCCR.

“Com muito esforço, conseguimos dar cumprimento a mais uma meta do Governo de Rondônia entregando um estudo que valoriza os nossos profissionais de saúde”, enfatizou o secretário.

SOBRE O PCCR

O Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração é um instrumento de gestão usado pelo poder público. Os planos de carreira são formados por um conjunto de normas que buscam regulamentar a carreira profissional de uma determinada categoria. No caso dos servidores da saúde de Rondônia, os reajustes apresentados no PCCR vão contemplar toda a classe de servidores efetivos da saúde estadual.

O plano de carreira foi apresentado aos deputados e representantes dos sindicatos dos servidores da saúde

Além dos reajustes salariais, o plano contempla a implementação da Gestão de Desempenho. Durante a apresentação do plano, o secretário-chefe da Casa Civil, Júnior Gonçalves afirmou que a atual gestão do Governo tem a preocupação de ouvir  e atender os anseios dos servidores públicos, sendo o estudo do PCCR uma conquista da categoria.

“Nós sabemos a importância desse plano para os servidores da saúde que estão neste momento na linha de frente lutando por tantas vidas. O governador Marcos Rocha determinou que a saúde pública fosse prioridade e estamos dando cumprimento a essa meta”, afirmou  Júnior Gonçalves.

Com a apresentação da minuta do projeto de lei, os representantes dos servidores terão um prazo para avaliar o PCCR, e após isso, segue para aprovação da Casa de Leis. A implantação do plano está prevista para janeiro de 2022, devido às vedações previstas na Lei Federal nº 173. 

Fonte
Texto: Anayr Celina
Fotos: Italo Ricardo e Daiane Mendonça
Secom – Governo de Rondônia

--Publicidade--
Clique para comentar

Deixe uma resposta

Destaques

Urgente-Alguns municípios de Rondônia incluindo Rolim de Moura entra em colapso a saúde publica e parte dos particulares

Publicado

em

Por

Rolim de Moura e mais alguns municípios entraram em colapso na saúde pública, o Covid 19 vem fazendo muitas vítimas deixando um rastro de destruição, o prefeito municipal de Rolim de Moura Aldair Júlio informou que nosso hospital municipal esta passando por dificuldades ainda maiores em falta de médicos para atender a demanda, embora está correndo atrás de contratação de médicos para trabalharem no hospital municipal, mesmo assim esta muito difícil, porque não esta conseguindo encontrar profissional para atuar.

Segundo o prefeito em um áudio que circula nas redes sociais, onde o prefeito diz;

“ Perdemos dois médicos pelo Covid 19 no ano passado, 4 médicos estão afastados das funções, 2 estão de férias, e agora temos o dinheiro para pagar e não conseguimos profissional, ninguém quer vir para Rolim de Moura, fiz contato com Dr Luiz Ferrari que se colocou a disposição junto sua esposa para atender em Rolim de Moura fazendo plantões”.

O prefeito Aldair Júlio ainda pediu para população se cuidarem, pois não tem como atender no hospital devido o colapso,” por favor cuidem se; diz- Aldo Júlio”

Outros Hospitais como de Ji Paraná entrou em Colapso também, Cacoal o Hospital dos Acidentados emitiu uma Nota informando que não consegue mais atender ninguém, entrando em Colapso também.

Portanto vamos manter todo cuidado, só saia de casa caso for necessário e em ultimo caso, usem mascaras e álcool em gel, vamos nos cuidar, pois se dependermos da saúde não só publica, mas também particular iremos sofrer a consequência, não iremos receber atendimento.

Fonte: Rondonianews

Por Alex Tedeschi

Continue lendo

Saude

ENTROU EM COLAPSO: Cacoal não tem mais como socorrer pacientes de covid-19, afirma prefeito

Publicado

em

Foto: Divulgação

O prefeito de Cacoal, Adailton Fúria, anunciou através de uma transmissão nas redes sociais que a estrutura de atendimento de Saúde pública na cidade entrou em colapso por conta dos atendimentos de cidadãos infectados por COVID-19 no município. 
Todos os leitos de UTI do Hospital Regional de Cacoal, HEURO e hospitais particulares estão ocupados. Isso além de todos os leitos de UTI de municípios próximos como Pimenta Bueno, Espigão do Oeste, Rolim de Moura, Ji-Paraná e Vilhena estarem esgotados. 
A nossa unidade de Saúde não tem mais capacidade de atendimento, por isso estamos pedindo socorro ao Estado para que possamos afinar os últimos detalhes do hospital de campanha”, afirmou Adailton Fúria. 
A prefeitura de Cacoal solicitou equipamentos clínicos e a cidade foi colocada em isolamento restritivo  após um decreto municipal. 
Confira vídeo:

por. Rondoniaovivo – João Paulo Prudêncio

Continue lendo

Saude

Pacientes do Amazonas são transferidos para outros estados

Publicado

em

Os 235 pacientes de Manaus que deverão ser transferidos para hospitais de outros estados começaram a ser levados em voos da Força Aérea Brasileira (FAB) na manhã desta sexta-feira (15). O Ministério da Defesa informou que há voos programados ainda hoje para Maranhão, Piauí, Rio Grande do Norte e Paraíba. Hospitais de Goiás, Pernambuco, Ceará e Distrito Federal também deverão receber pacientes.

As transferências ocorrem em meio ao colapso do sistema de saúde amazonense, após recorde das internações por Covid-19 e com uma nova variante do coronavírus circulando no estado (leia mais ao final da reportagem). Hospitais ficaram sem oxigênios para pacientes. O G1 registrou nesta quinta-feira (14) cenas de médicos transportando cilindros nos próprios carros para levar ao hospital e familiares tentando comprar o insumo. Cemitérios estão lotados e instalaram câmaras frigoríficas.

De acordo com o Ministério da Saúde, as transferências dos pacientes do Manaus ocorrerão por via aérea, com duas aeronaves da FAB, e já estão garantidos de imediato 149 leitos. São 40 em São Luís (MA), 30 em Teresina (PI), 15 em João Pessoa (PB), 10 em Natal (RN), 20 em Goiânia (GO), 4 em Fortaleza (CE), 10 em Recife (PE) e 20 no Distrito Federal.

No início da manhã desta sexta, nove pacientes embarcaram no primeiro voo da FAB, que partiu da Base Aérea de Manaus para Teresina, como informou o Comandante da Ala 8 da Base Aérea de Manaus, Brigadeiro do Ar Luiz Guilherme da Silva Magarão. Inicialmente, 13 passageiros seriam transferidos, mas quatro estavam instáveis e não puderam viajar.

“A operação aqui com os passageiros envolveu a preparação da aeronave, que é um C-99, para que ela ficasse com oxigênio disponibilizado, e isso limitou a capacidade da aeronave para até 15 pacientes. A operação é delicada, por isso demorou quase uma hora para que a gente conseguisse fazer o embarque dos pacientes nessa missão”, disse Magarão.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde do Amazonas, os primeiros pacientes saíram dos Hospitais e Prontos-Socorros (HPS) 28 de Agosto e Platão Araújo para receber atendimento no Hospital Universitário da Universidade Federal do Piauí (UFPI), em Teresina. Um segundo grupo de 15 pacientes deve ser encaminhado para São Luís, no Maranhão, também nesta sexta-feira.

Os governos federal e do estado não detalharam quantos serão os voos para transferir os pacientes e nem quantos dias esta operação deverá durar.

do G1/AM

Continue lendo
--Publicidade--

Publicidade

Publicidade

--Publicidade--

Artigos

Categorias

--Publicidade--

Mais Lidas

%d blogueiros gostam disto: