segunda-feira , maio 20 2019
Home / Destaques / Quatro anos após perder a filha, mãe escreve livro em sua homenagem e ainda manda mensagens através de rede social

Quatro anos após perder a filha, mãe escreve livro em sua homenagem e ainda manda mensagens através de rede social

Thays morreu aos 38 anos em decorrência de problemas cardíacos.
“Depois de um tempo descobri que aprendi a viver de saudade”, declara Sandra.

“Um Talvez”. Esse é o título do livro escolhido por Sandra Almeida, de 61 anos, para
homenagear a filha, Thays Almeida, que faleceu aos 38 anos em decorrência de problemas
cardíacos. Mesmo após quatro anos do falecimento, mãe ainda manda mensagens para a filha
através de rede social como uma forma de matar a saudade.
Alma sangrando
(Para minha filha Thays -in memoriam)
minhalma sangra
e…
minhas lágrimas
é um poema
inacabado…
Esse é um dos poemas que a escritora fez em memória da filha. Sandra é geógrafa, professora,
escritora e Membro Fundadora da Academia de Letras de Cacoal/RO (ACLEC). Sempre amou
escrever e encontra nos poemas uma forma de superar a perda de uma das filhas “Deus me
presenteou com três filhas maravilhosas e ser mãe pra mim é uma grande lição. Thays era a
mais velha, Rúbia minha filha do meio e Maíra a minha caçula. Sempre gostei de escrever e
sempre fiz questão de escrever e dedicar poemas e declarações a elas, mas esse livro é uma
coletânea feita exclusivamente para a Thays. O livro já está quase pronto, faltando apenas
alguns detalhes finais e em breve será lançado”, conta Sandra.
Sandra mora em Cacoal/RO e Thays morava com a avó no Paraná. Em 2010, Thays foi
diagnosticada com uma deficiência cardíaca e precisou passar por uma cirurgia que trazia
muitos riscos de morte. A válvula do coração estava calcificada e precisava ser substituída por
uma válvula mecânica. “Os médicos estavam apreensivos, pois, era uma cirurgia que trazia
muitos riscos e ela poderia não sobreviver, mas como sempre a minha filha impressionou a
todos e a cirurgia foi um sucesso, porém Thays ficou fadada a usar anticoagulantes e
corticóides para o resto da vida para evitar um tromboembolismo”, explica a professora.
Em 2014, Thays estava com arritmia, o coração já estava mais fraco e precisava de cuidados
redobrados, porém para não preocupar a família, ela preferia não tocar no assunto e sempre ia
nas consultas médicas sozinha.
“Ela era puro amor e transmitia amor por onde passava. Seu maior sonho era ser mãe, porém,
os médicos sempre alertaram que, durante a gestação, a grávida apresenta naturalmente um
aumento da frequência cardíaca para manter as necessidades do seu organismo e do feto e
para ela seria um risco muito grande. Entretanto, o sonho falou mais alto e em agosto de 2014
ela descobriu que estava grávida do João Pedro”, conta Sandra.

A escritora conta que sente muito orgulho da filha porque ela era uma pessoa batalhadora,
iluminada e vivia intensamente, aproveitando cada dia e cada momento como se fosse o
último. “Durante a gestação ela planejou toda a vida do filho porque não sabia como ia ser o
dia de amanhã e no fundo ela sabia que não tinha muito tempo. O João Pedro nasceu no dia
16 de março e de 2015 e 50 dias depois a Thays faleceu. Com mais ou menos 45 dias após o
parto ela teve uma trombose no braço e teria que ser internada para o quadro não se agravar
e no dia 03 de maio ela deu entrada no pronto socorro, teve um acidente vascular cerebral
(AVC) isquêmico no lado esquerdo do cérebro e um hemorrágico no lado direito e na
madrugada do dia 5 de maio os médicos declararam morte encefálica”, se recorda
emocionada.

Para a escritora, é o amor e saudade que a sustenta todos os dias. “Depois de um tempo
descobri que aprendi a viver de saudade. Já se passaram quatro anos e até hoje eu mando
mensagem pra ela através da rede social como era de costume. É uma maneira de matar a
saudade, de estar próxima e dizer que em breve nos veremos novamente. Uma parte de mim
foi embora e ficará um vazio para sempre, mas ela também me deixou uma parte dela, eu sei
que ela abriu mão da própria vida pela vida do filho dela e hoje minha missão é poder passar
para o meu neto todo amor que ela sentiu por ele”, declara Sandra.

…. – Veja mais em https://vivabem.uol.com.br/colunas/paulo-chaccur/2019/03/03/mulheres-
com-problemas-de-coracao-podem-engravidar.htm?cmpid=copiaecola em agosto, descobriu
que estava grávida.
Qd foi em Agosto descobriu que estava grávida
Um grande risco
Mas prosseguiu no sonho dela de ser mãe
Meu sobrinho nasceu em Março 2015
45 dias depois minha irmã tem AVC isquêmico no lado esquerdo do cérebro e um hemorrágico
no lado direito
Não tinha como sobreviver
E se acontecesse ficaria numa cama sem sinais
Meu sobrinho hoje tem 4 anos e é a cópia dela
Mora no Paraná com minha avó

Fonte: Fernanda Bonilha

Comments

comments

Compartilhar

Sobre Redação Rondonia

Veja Também

Expoagro: Ivo fala do desafio e explica programação da festa

Compartilhar no WhatsappEm entrevista ao Rolnews na manhã deste sábado, 18, o Presidente da Associação ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *