Home / esc / Palocci diz que ex-presidente do STJ recebeu propina de R$ 5 milhões






Palocci diz que ex-presidente do STJ recebeu propina de R$ 5 milhões

O ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci afirmou, em delação premiada, que o ex-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Cesar Asfor Rocha recebeu R$ 5 milhões da construtora Camargo Corrêa para barrar a Operação Castelo de Areia da Polícia Federal. As informações são da Folha de S.Paulo

Deflagrada em 2009, a investigação tinha como alvo, além da construtora, outras empreiteiras e políticos investigados pela Lava Jato.

Ainda segundo a publicação, Palocci afirmou que o acerto com Cesar Asfor Rocha foi feito pelo advogado Márcio Thomaz Bastos, morto em 2014. O acordo incluía a promessa de apoio de Bastos a Asfor Rocha para uma indicação no Supremo Tribunal Federal (STF), o que não ocorreu.

O ex-ministro dos governos Lula e Dilma Rousseff disse ainda que o repasse referente ao suborno foi depositado em uma conta no exterior. As famílias de Rocha, Bastos e a construtora Camargo Corrêa negam a acusação a reportagem da Folha.

Preso na 35.ª fase da Lava Jato, batizada de Omertà, o petista é acusado de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, referente ao repasse de R$ 10 milhões da Odebrecht para o marqueteiro do PT João Santana. Ele negocia sua delação premiada.

Operação

A Castelo de Areia apurou um esquema de evasão de divisas, lavagem de dinheiro, crimes financeiros e repasses ilícitos para políticos envolvendo executivos da empreiteira Camargo Corrêa, entre 2009 e 2011. Dentre os nomes que apareceram nas buscas da operação estava o do hoje presidente Michel Temer, em uma planilha com citando vários políticos que receberam doações da empreiteira. Em 2011 o STJ decidiu por anular toda a investigação, sob o argumento de que ela foi baseada em uma denúncia anônima.

Com as novas descobertas da Lava Jato, que destrinchou o relacionamento e a troca de favores entre as empreiteiras e os principais partidos políticos do país, a força-tarefa da operação chegou a pedir ao Supremo em 2015 que fosse reaberta a Castelo de Areia, mas o pedido foi negado.

Asfor Rocha presidiu o STJ e, em 2009, concedeu uma liminar que barrou a Operação Castelo de Areia. Semelhante à Lava Jato, a investigação realizada na época também avançou sobre a relação entre as grandes empreiteiras do País e os partidos políticos. A liminar acabou sendo referendada pelo plenário do STJ e a operação foi anulada.


Fonte: Metropoles

Comments

comments

Compartilhar

Sobre Angela Gonçalves

Veja Também

Três homens ficam feridos após colisão entre motos em Cacoal, RO

Compartilhar no Whatsapp Um acidente envolvente duas motocicletas deixou três pessoas gravemente feridas, neste domingo ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *