terça-feira , março 26 2019
Home / Mundo / COVARDIA: “Estamos arrasados”, diz tio de bebê morta após maus-tratos dos pais

COVARDIA: “Estamos arrasados”, diz tio de bebê morta após maus-tratos dos pais

“Estamos arrasados com toda a situação. Não tem explicação, nunca imaginei”, desabafou, emocionado, Adriano Araújo, 37 anos, tio da bebê que morreu após ser maltratada pelos pais no Distrito Federal. Embaixo de chuva, o corpo da pequena Esther começou a ser velado por volta das 13h desta quarta-feira (7/11), no Cemitério Campo da Esperança, na Asa Sul.

A cerimônia pequena para poucos parentes e amigos da família atraiu também quem se comoveu com o caso. A menina será enterrada às 17h. Para Adriano, o “sentimento que fica é de enorme tristeza”. Nos últimos dias, ele conta que “só orava para que tudo desse certo”. “Batalhei o quanto pude pela vida dela. O momento agora é de luto.”

O tio diz que a história, no entanto, não acaba por aqui. Só “sossegará quando ouvir o que o irmão, pai de Esther, tem a dizer”. “Ele vai ter que pagar pelo que fez. Serão semanas angustiantes até que possa conversar com ele.”

Segundo Adriano, os últimos dias têm sido de tirar o sono. “Só descansava a cabeça quando estava com meus filhos. Não consegui trabalhar e até para dormir ficou complicado.”

Responsável

A liberação do corpo atrasou devido a entraves burocráticos para a nomeação do responsável pela menina. Com os pais presos, o tio da criança teve de correr atrás da documentação e de autorizações para proceder com os preparativos do sepultamento.

O estado de saúde da pequena Esther verificado quando ela deu entrada no Hospital Regional de Sobradinho (HRS), depois de sofrer uma parada cardiorrespiratória, chocou o Distrito Federal. Os médicos da unidade encontraram a criança desnutrida, com fraturas antigas já calcificadas e queimaduras no rosto e na região genital.

O pai, Anderson Gustavo de Araújo Barbosa, de 29 anos, e a mãe, Elizana Pereira da Costa, de 23, foram presos em flagrante logo após a equipe médica do HRS constatar os ferimentos e acionar a polícia, em 29 de outubro. No dia seguinte, o juiz Aragonê Fernandes, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT), converteu a prisão de ambos em preventiva.

Nas redes sociais, casal agradecia a Deus pelo nascimento da bebê

Esther morreu aos 6 meses 

Pais foram preso e indiciados por feminicídio 

“Quando ficava sem paciência, jogava a bebê no chão”. A frase foi dita pela mãe da pequena Esther a uma agente da Polícia Civil no dia em que a acusada foi presa em flagrante suspeita de maus-tratos contra a filha. Os pais da criança tiveram a prisão preventiva decretada e foram indiciados por feminicídio. Se condenados, podem pegar até 30 anos de cadeia.

Fonte. METROPOLES

Comments

comments

Compartilhar

Sobre Angela Gonçalves

Veja Também

Coordenação Nacional Executiva do Processo Judicial Eletrônico faz visita ao TRT-RO/AC

Compartilhar no Whatsapp Na quarta-feira (20), o Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região (TRT14), que ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *